Ana Paula Rocha

FOTO: Aurélio Alves/O POVO

Graduada em Direito pela Universidade Potiguar, em Mossoró (RN), a advogada Ana Paula Rocha soube desde cedo lutar pelos seus objetivos. Foi assim quando decidiu ser advogada e arriscar seu futuro sozinha na cidade de Fortaleza. Uma das perguntas que ela mais responde é: “A que você atribui os seus resultados como advogada, em um curto espaço de tempo, já que veio sozinha de uma cidade do interior do Ceará para seguir carreira em Fortaleza, em uma área de bastante concorrência e com um número considerável de profissionais com muitos anos de atuação?”.

Para a advogada, os sonhos só são realizados com muita determinação, foco e perseverança. Essas são as características presentes até hoje em tudo o que se propõe a fazer, relata Ana Paula. “Se você não souber para onde está indo, qualquer lugar serve. Então se autoconheça e planeje a sua vida. O que sinto hoje é que tudo valeu a pena! Por isso encorajo todas as pessoas a enfrentarem seus medos”.

Natural de Russas, saiu de Jaguaruana com um sonho grande, sem nenhuma experiência na advocacia, levando “apenas” os ensinamentos da mãe para se dedicar aos estudos e à carreira profissional com zelo e retidão. “Eu vim com um objetivo na vida e sabia que até alcançá-lo seria necessário muita dedicação, força de vontade e coragem”, conta.

Foi com esses princípios que se tornou especialista em direito penal e processo penal, na Universidade de Fortaleza (Unifor), e direito tributário, pelo Damásio Educacional. Atuando na área criminal há dois anos, Ana Paula Rocha acredita na militância na advocacia como uma luta permanente pela cidadania, “ainda que às vezes não haja plena consciência disso”.

É preciso estudo, ética e senso de responsabilidade social. A operadora do Direito revela que a atuação na área criminal é desafiadora e, ao mesmo tempo, gratificante, pois as ações possuem impacto substancial na vida de outras pessoas e é preciso ter senso de justiça, formação humanista e um entendimento correto da aplicação das leis. “A advocacia não é simplesmente uma profissão, mas, ummunus publicum, ou seja, um encargo público, já que, embora não seja agente estatal, compõe um dos elementos da administração democrática do poder judicial”, diz. 

A profissional acredita que para se ter excelência em qualquer profissão, basta dedicação e trabalho árduo. “Percebo o impressionismo de pessoas mais velhas ao dizer sobre minha profissão, pois viveram os bons tempos de prestígio da advocacia. Porém, cada dia mais me convenço da excelente escolha que fiz, incentivo amigos e conhecidos a serem defensores de direitos, da igualdade e da justiça. Perseverança é o segredo do sucesso em qualquer empreitada nesta vida!”.