Lino Máximo

Aurélio Alves/O POVO

Depois de quase vinte anos de atuação no mercado, Lino define a advocacia como “uma das profissões mais complexas” pela necessidade constante de reciclagem jurídica, mas também pela exigência que o profissional tem de estar “sempre conectado aos pensamentos, criações e invenções da mente humana, incluindo as diversas áreas da ciência como a matemática, literatura, filosofia, arte, entre outras”.

Máximo é bacharel em Direito pela Universidade de Fortaleza (Unifor), em 2002, técnico em transações imobiliárias pelo Centro de Treinamento e Desenvolvimento (Cetrede), da Universidade Federal do Ceará (UFC), e especialista em direito processual penal pela Unifor, em 2006.

Atuando nas áreas do direito imobiliário, direito penal, direito civil, direito consumerista, direito de família e sucessões e direito empresarial, o advogado conta que ao longo de quase duas décadas dedicadas ao Direito – seja como servidor do Poder Judiciário ou como advogado militante –, compreendeu “a dimensão colossal dos anseios e clamores da sociedade brasileira”.

“Qualquer cidadão necessita de uma efetiva prestação jurisdicional e, neste contexto, é também responsabilidade da advocacia desenvolver mecanismos estruturais eficientes que impulsionem o sistema de justiça”, ressalta Lino, ao pontuar a importância da profissão na sociedade. Lino descreve ainda que todo acervo de conhecimento é imprescindível na carreira. “Servirá de alicerce para o convencimento prático e teórico nas lides jurídicas.

Para tanto, entendo que o advogado, acima de tudo, deve ser corajoso e perspicaz, pois constantemente é afrontado pelas adversidades e atribulações causadas pelas disputas de poder”, diz, sobre o que enfrenta diariamente. É com esse ímpeto que atua como sócio fundador do escritório Macedo, Lobo e Máximo com sedes em Fortaleza, Juazeiro do Norte e Crato e com atuação nos estados do Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

Como reconhecimento do trabalho feito nos últimos anos, Lino Máximo recebeu homenagem da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará pela passagem dos dezoitos anos de atuação da Associação dos Jovens Advogados do Ceará (AJA CE), em 2015. O profissional ainda recebeu o título de Cidadão Cratense, conferido pela Câmara Municipal do Crato, no mesmo ano. É uma passagem da obra de Patativa do Assaré que define a carreira e o zelo de Lino pelo Direito.

“Eu sou de uma terra que o povo padece; Mas não esmorece e procura vencer; Da terra querida, que a linda cabocla; De riso na boca zomba no sofrer; Não nego meu sangue, não nego meu nome; Olho para a fome, pergunto o que há?; Eu sou brasileiro, filho do Nordeste; Sou cabra da Peste, sou do Ceará”.